FECHAR
FECHAR
29 de outubro de 2012
Voltar
Matéria de Capa - Logística - Ferrovias

Trens regionais devem resgatar transporte de passageiros

O projeto é antigo, data dos anos 90, mas a necessidade é atual e se depender da vontade da sociedade e do governo, os famosos trens regionais de média distância logo estarão de volta.

O governo já pré-selecionou 28 trechos dentre os 64 dos originais e deles escolheu 14 trechos para a elaboração dos respectivos estudos de viabilidade técnica, econômica, social, ambiental e jurídico-legal (EVTESAJ) para a implantação de trens para o transporte de passageiros de forma regular.

A seleção dá andamento ao Projeto de Trens Regionais, vinculado ao Programa de Resgate dos Transportes Ferroviários de Passageiros, do Plano de Revitalização das Ferrovias, surgiu nos anos 90 e foi desenvolvido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), inicialmente com o apoio da COPPE-UFRJ. A sua função primeira foi o interesse em elaborar projetos de transportes ferroviários de passageiros que mitigassem a ociosidade da malha ferroviária e ampliassem a oferta daqueles meios de transporte.

Com esse objetivo o Ministério dos Transportes, através de pesquisa de interesse dos municípios inseridos em trechos selecionados pelo BNDES, propôs estudos de viabilidade para alguns trechos pré-selecionados nas pesquisas efetuadas. Os estudos consideraram as informações fornecidas pelas Secretarias de Transportes dos Estados, pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e Diretoria de Infraestrutura Ferroviária (DNIT-DIF), e pela extinta Rede ferroviária Federal S.A. (RFFSA), classificadas conforme metodologia desenvolvida pelo Ministério dos Transportes.

Para incorporar a atual necessidade de transportes de passageiros via ferrovia, está em desenvolvimento o projeto de atualização dos estudos inicialmente desenvolvidos pela COPPE. O DEPLAN/SPNT está desenvolvendo o termo de referência, para futura contratação de empresas especializadas para desenvolver e atualizar os estudos com base no quadro atual de crescimento das cidades. O prazo estimado para desenvolver cada trecho ferroviário dos projetos componentes dos Trens Regionais é de oito meses, a partir da data da publicação da assinatura do contrato.

Inicialmente, deverá ser estabelecida a base de conhecimento sobre cada trecho, derivada de contatos com técnicos e conhecedores das especificidades locais, bem como de levantamentos de dados secundários e análises documentais. Posteriormente, deverão ser realizadas as pesquisas de campo fixadas.

Com essa base de conhe


O governo já pré-selecionou 28 trechos dentre os 64 dos originais e deles escolheu 14 trechos para a elaboração dos respectivos estudos de viabilidade técnica, econômica, social, ambiental e jurídico-legal (EVTESAJ) para a implantação de trens para o transporte de passageiros de forma regular.

A seleção dá andamento ao Projeto de Trens Regionais, vinculado ao Programa de Resgate dos Transportes Ferroviários de Passageiros, do Plano de Revitalização das Ferrovias, surgiu nos anos 90 e foi desenvolvido pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), inicialmente com o apoio da COPPE-UFRJ. A sua função primeira foi o interesse em elaborar projetos de transportes ferroviários de passageiros que mitigassem a ociosidade da malha ferroviária e ampliassem a oferta daqueles meios de transporte.

Com esse objetivo o Ministério dos Transportes, através de pesquisa de interesse dos municípios inseridos em trechos selecionados pelo BNDES, propôs estudos de viabilidade para alguns trechos pré-selecionados nas pesquisas efetuadas. Os estudos consideraram as informações fornecidas pelas Secretarias de Transportes dos Estados, pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes e Diretoria de Infraestrutura Ferroviária (DNIT-DIF), e pela extinta Rede ferroviária Federal S.A. (RFFSA), classificadas conforme metodologia desenvolvida pelo Ministério dos Transportes.

Para incorporar a atual necessidade de transportes de passageiros via ferrovia, está em desenvolvimento o projeto de atualização dos estudos inicialmente desenvolvidos pela COPPE. O DEPLAN/SPNT está desenvolvendo o termo de referência, para futura contratação de empresas especializadas para desenvolver e atualizar os estudos com base no quadro atual de crescimento das cidades. O prazo estimado para desenvolver cada trecho ferroviário dos projetos componentes dos Trens Regionais é de oito meses, a partir da data da publicação da assinatura do contrato.

Inicialmente, deverá ser estabelecida a base de conhecimento sobre cada trecho, derivada de contatos com técnicos e conhecedores das especificidades locais, bem como de levantamentos de dados secundários e análises documentais. Posteriormente, deverão ser realizadas as pesquisas de campo fixadas.

Com essa base de conhecimento, deverá ser executada a caracterização de cada trecho ferroviário em estudo, destacando-se as dimensões socioeconômicas, importantes na compreensão e na explicação da geração e da distribuição espacial e temporal de viagens, assim como na oferta atual de transportes, seja a do sistema ferroviário, quando existente, seja a dos modos concorrentes.

A partir da formulação da base de conhecimento e da caracterização dos trechos ferroviários, serão definidos os procedimentos requeridos para se estimar a demanda atual e futura de viagens entre os municípios do trecho, bem como aqueles para o dimensionamento da oferta ferroviária necessária para atender satisfatoriamente à demanda.

A partir deste resultado, deverá ser projetada a demanda anual futura, ao longo do horizonte de projeto estipulado em 25 anos, incluindo as expectativas no início da operação e para 5, 15 e 25 anos da implantação.