FECHAR
04 de outubro de 2013
Voltar
Matéria de Capa - Portos

Suape, a joia da coroa portuária nordestina

Vantagens competitivas do complexo portuário atraem empresas para a formação de importante polo logístico, da indústria naval e da cadeia de petróleo e gás

No estado de Pernambuco, no Nordeste brasileiro, a feliz combinação de um porto com águas profundas, localização estratégica em relação às principais rotas de navegação e proximidade com grandes centros de consumo criaram as condições ideais para a instalação de complexo industrial que vem crescendo em ritmo acelerado, tornando-se um indutor de desenvolvimento econômico e tecnológico na região. Com obras para todos os lados, a retroárea do Porto de Suape é hoje importante destino para investidores nacionais e internacionais, nos mais diversos setores da economia.

Suape é emblemático do desenvolvimento de Pernambuco, assegurando ao estado índices de crescimento econômico muito acima da média nacional. De acordo com a Agência Estadual de Planejamento e Pesquisa de Pernambuco (Condepe/Fidem), Pernambuco teve um crescimento de 2,3% em 2012, em relação ao seu Produto Interno Bruto (PIB), atingindo os R$ 115,6 bilhões. O resultado superou o crescimento registrado pela economia brasileira no mesmo período, cujo incremento foi de apenas 0,9%. A expectativa da Condepe/Fidem para o desenvolvimento da economia pernambucana em 2013 é de 4,5%.

Os empreendimentos já instalados ou em fase de instalação no complexo têm gerado grande procura por força de trabalho qualificado e especializado, tendo em vista a ampliação da infraestrutura para movimentação de cargas no porto e os investimentos em plantas industriais.

De acordo com o presidente da Condepe/Fidem, Maurílio Lima, mesmo diante da crise econômica internacional, Pernambuco tem conseguido manter o bom desempenho graças a uma série de políticas públicas que alavancaram os índices positivos. “A economia de Pernambuco vem, desde 2007, apresentando taxas médias de crescimento e aumento dos índices de emprego, valorização do salário mínimo e ascensão de novas categorias sociais. Esse resultado se deve, principalmente, às políticas de incentivo ao desenvolvimento econômico no âmbito estadual e federal”, afirma.

Também na contramão do que está acontecendo no restante do País, onde se verifica forte tendência à desindustrialização, em Pernambuco o setor industrial manteve trajetória de crescimento, registrando alta de 3,7%. Tal desempenho foi alavancado principalmente pela cadeia da construção civil, seguida pela indústria da transformação, com 8,3% e 2%, respectivamente. “O ritmo de crescimento deverá ser mantido em 2013. Nossa indústria da transformação e o setor automotivo deverão se destacar ainda mais a partir dos grandes empreendimentos em Suape, como a Refinaria Abreu e Lima”, disse Lima.