FECHAR
26 de julho de 2018
Voltar
Infraestrutura

Sem destravar a infraestrutura, futuro do Brasil é incerto

Estudo finalizado pelo BNDES propõe uma agenda de desenvolvimento para os próximos 17 anos e projeta a infraestrutura necessária para o Brasil que queremos nesse horizonte
Por Paulo Espírito Santo

Infraestrutura: investidores em potencial se queixam na insegurança jurídica e institucional

O BNDES acabou de tornar público o estudo “Visão 2035: Brasil, país desenvolvido”, contendo uma ampla análise dos principais setores da infraestrutura brasileira, em diversas macrorregiões e no país como um todo. O estudo é norteado pela convicção de que o desenvolvimento brasileiro, nos próximos anos passa, necessariamente, por uma infraestrutura moderna e eficiente, e por um processo contínuo de inovação tecnológica. Juntos, esses dois fatores, geram, segundo o estudo, novos parâmetros de produtividade.

Energia alternativa, principal atrativo para investimentos privados no Brasil

O documento é publicado ao mesmo tempo em que o BNDES anuncia a decisão de mudar sua estratégia de atuação no financiamento da infraestrutura do País (ver matéria nesta edição). Isso acontece justamente quando o Brasil atravessa graves incertezas, em um ano de eleições legislativas e presidenciais, que acontecerão em outubro. Esse período é marcado pela apreensão em relação a eventuais mudanças de orientação das políticas públicas e dos modelos conhecidos pelo mercado para participação do capital privado em investimentos em infraestrutura. Potenciais investidores do Brasil e do exterior cobram a necessidade de institucionalizar mecanismos e regulamentos que garantam a continuidade dos projetos do setor, independentemente do contexto político e das alternâncias de grupo e partidos no poder.

Nesse ambiente de insegurança institucional, que traz implicações negativas para o andamento dos projetos de infraestrutura, cresce a pressão do capital por regras claras e duradouras e por uma agenda de políticas públicas de longo prazo, que assegurem a previsibilidade do mercado. O que os investidores querem é a redução de fatores de risco, principalmente os associados a projetos com prazos de maturação que excedam várias gestões políticas. O Poder Concedente deve manter um ambiente atrativo e estável, capaz de garantir a continuidade dos projetos. Se a regulação é clara e bem estruturada, os processos eleitorais têm muito pouco impacto para investidores interessados em infraestrutura.

O estudo “Visão 2035” pretende lançar uma luz nesse cenário nebuloso pelo menos nos próximos 17 anos, para pautar não somente as ações do próprio BNDES, como servir de bússola para a iniciativa privada. Para a sua elaboração, em cada cenário setorial, especialistas realizaram análises prospectivas, questionando, primeiramente, o que seria necessário para destravar o setor. A partir desse ponto, buscaram definir o que precisa ser feito para potencializar cada setor da economia. E, finalmente, dedicaram-se em projetar um futuro em que fosse possível não só acelerar, mas, sobretudo, transformar cada setor estudado.

Produção editorial: Revista Grandes Construções – Desenvolvido e atualizado por Diagrama Marketing Editoral