FECHAR
FECHAR
23 de novembro de 2013
Voltar
Tecnologia

Odebrecht aplica simulação 4D em projeto de usina hidrelétrica no Peru

Com investimento de US$ 1,2 bilhão (100% da Odebrecht Energia), a Usina Hidrelétrica Chaglla, localizada entre os distritos de Chaglla (província de Pachitea) e Chinchao (província de Huánuco), a 420 km de Lima, no Peru, é o primeiro ativo internacional da Odebrecht Energia. A usina hidrelétrica possui capacidade instalada de 456 MW, suficiente para abastecer quatro milhões de habitantes e deverá contribuir para a diversificação da matriz energética no país. O empreendimento, que é considerado exemplo de máxima eficiência energética e reduzido impacto socioambiental, será uma das maiores usinas de geração de energia elétrica do Peru, com um reservatório de apenas 4,6 km, área considerada reduzida em comparação a outros empreendimentos hidrelétricos da mesma magnitude.

Com previsão de entrar em operação no início de 2016, a obra está a cargo da construtora Odebrecht, sob o regime de EPC (Engineering, Procurement and Construction). A usina é composta por uma barragem de 203 m de altura, com face de concreto que represará as águas do rio Huallaga, no Peru. A água será conduzida através do túnel de adução, com 14,5 km de comprimento, até a Casa de Força, onde estão as duas unidades de geração que, em conjunto, produzirão 450 MW.

A localização da barragem foi estrategicamente escolhida, para permitir o represamento numa área consideravelmente pequena para a profundidade da água, tendo um impacto mínimo nas áreas do entorno. Isso provocou um enorme desafio, porque as estruturas envolvidas no represamento ficam muito próximas umas das outras, gerando muita interferência entre elas.

A construção da Casa de Força envolve obras civis e eletromecânicas, que deverão ser executadas em tempos desafiadores para atender aos prazos estabelecidos para a geração de energia. Para manter o equilíbrio entre cada uma das frentes de trabalho é preciso ter um planejamento dinâmico que permita, se necessário, mudar as metodologias de acordo com avanço do projeto.

Normalmente, é apresentado um planejamento operacional, de difícil compreensão para a maioria dos profissionais de produção. Por isso, se fez necessário a elaboração de simulações em tempo virtual, que permitiram apresentar como uma estrutura do projeto deveria ser visualizada numa data específica. Esta metodologia possibilitou um melhor entendimento das metas, não só aos responsáveis da produção, mas também a seus liderados, e a todos os membros da organização, de forma que todos possam tomar conhecimento do andamento do trabalho e se comprometam com o alinhado.