FECHAR
FECHAR
15 de maio de 2019
Voltar
Especial "Concessões Rodoviárias"

Modal rodoviário segue problemático no Brasil

Pesquisa da CNT mostra expansão de 8,4% na extensão das rodovias federais brasileiras no período de 2008 a 2018, mas também que mais da metade da malha encontra-se em situação precária
Por Redação

Prestes a iniciar um novo ciclo de crescimento (ao menos é o que todos anseiam), o Brasil ainda enfrenta um desafio antigo: a condição precária de muitas de suas rodovias, com recorrentes problemas em pavimentos, sinalização e traçados em diversos trechos da malha, o que evidentemente compromete a economia e a própria mobilidade e segurança de seus habitantes.
E superar esse gargalo é imprescindível para o país, tendo em vista que mais de 60% do transporte de cargas e mais de 90% dos descolamentos de passageiros do Brasil são feitos por rodovias. Essa significativa participação na matriz de transporte nos obriga a priorizar a área, atraindo mais investimentos em infraestrutura, notadamente para projetos de construção, duplicação e manutenção das rodovias brasileiras, além de se estabelecer um maior controle dos órgãos reguladores e uma fiscalização mais intensa da execução de obras.

Até porque a situação segue muito crítica. Proporcionalmente à malha rodoviária total, o país ainda conta com uma extensão muito reduzida de vias pavimentadas, mantendo-se atrás de países com território e economia similares. Tanto que, segundo o ranking de competitividade global do Fórum Econômico Mundial, o Brasil encontra-se apenas na 112ª posição entre 140 países no quesito qualidade da infraestrutura rodoviária.
Alguns números expõem o cenário desabonador. De acordo com Sistema Nacional de Viação (SNV1), o Brasil possui 213.453 km de rodovias pavimentadas e 1.507.248 km de rodovias não pavimentadas, que correspondem a 12,4% e 87,6% da extensão total, respectivamente. Assim, com aproximadamente 25,1 km de rodovias pavimentadas para cada 1.000 km2 de área, a densidade da malha ainda é insuficiente para as necessidades do país.

É verdade que o cenário vem melhorando aos poucos, mas é preciso andar mais rápido. Segundo a 22ª edi&cced


Prestes a iniciar um novo ciclo de crescimento (ao menos é o que todos anseiam), o Brasil ainda enfrenta um desafio antigo: a condição precária de muitas de suas rodovias, com recorrentes problemas em pavimentos, sinalização e traçados em diversos trechos da malha, o que evidentemente compromete a economia e a própria mobilidade e segurança de seus habitantes.
E superar esse gargalo é imprescindível para o país, tendo em vista que mais de 60% do transporte de cargas e mais de 90% dos descolamentos de passageiros do Brasil são feitos por rodovias. Essa significativa participação na matriz de transporte nos obriga a priorizar a área, atraindo mais investimentos em infraestrutura, notadamente para projetos de construção, duplicação e manutenção das rodovias brasileiras, além de se estabelecer um maior controle dos órgãos reguladores e uma fiscalização mais intensa da execução de obras.

Até porque a situação segue muito crítica. Proporcionalmente à malha rodoviária total, o país ainda conta com uma extensão muito reduzida de vias pavimentadas, mantendo-se atrás de países com território e economia similares. Tanto que, segundo o ranking de competitividade global do Fórum Econômico Mundial, o Brasil encontra-se apenas na 112ª posição entre 140 países no quesito qualidade da infraestrutura rodoviária.
Alguns números expõem o cenário desabonador. De acordo com Sistema Nacional de Viação (SNV1), o Brasil possui 213.453 km de rodovias pavimentadas e 1.507.248 km de rodovias não pavimentadas, que correspondem a 12,4% e 87,6% da extensão total, respectivamente. Assim, com aproximadamente 25,1 km de rodovias pavimentadas para cada 1.000 km2 de área, a densidade da malha ainda é insuficiente para as necessidades do país.

É verdade que o cenário vem melhorando aos poucos, mas é preciso andar mais rápido. Segundo a 22ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias – desenvolvida pela Confederação Nacional do Transporte (CNT) em parceria com o SEST SENAT – no que concerne especificamente às rodovias federais pavimentadas houve uma expansão de 8,4% na extensão total no período de 2008 a 2018, com uma expansão média de quase 1% ao ano. 
Em contrapartida, como mostra o documento, a frota nacional cresceu 82,4% no período, pulando de 54,5 milhões de veículos em 2008 para 99,4 milhões em 2018. Ao mostrar esse descompasso, a equação também indica um estrangulamento do sistema.

Se o avanço tem sido nitidamente insuficiente para garantir a capilaridade do modal, a conservação da malha existente configura outro grave problema. Avaliando mais de 107 mil km em todo o país, a mais recente Pesquisa CNT de Rodovias fez um levantamento das condições das principais infraestruturas rodoviárias no país, incluindo as suas características, deficiências e pontos críticos.

Mais uma vez, como já aconteceu em edições anteriores, o estudo mostra que a maior parte da malha rodoviária pavimentada continua em condições insatisfatórias, dessa vez com 57% do total apresentando condição Regular, Ruim ou Péssima, com problemas seja no pavimento, na sinalização ou na geometria. Ou seja, mais da metade das rodovias encontra-se em situação precária.

Mais que isso, há ainda a questão do desequilíbrio geográfico, com consequências na uniformidade de desenvolvimento das regiões. Nesse aspecto, os resultados do estudo mostram que, no que se refere à sua distribuição, a oferta de infraestrutura de transporte não se dá de modo uniforme nas cinco regiões do país. Nesse sentido, uma maior extensão de rodovias federais pavimentadas ainda persiste nas regiões Nordeste e Sudeste, onde se situam, respectivamente, 30,7% (20.129 km) e 19,2% (12.598 km) da extensão total dessa malha rodoviária.

Considerando-se a densidade por região, as maiores densidades de malha rodoviária federal pavimentada estão localizadas nas regiões Sul e Sudeste, respectivamente, com 20,9 km/1.000 km2 e 13,6 km/1.000 km2. Além disso, predominam rodovias de pista simples em 86,3% da extensão avaliada, contra somente 13,7% duplicadas.

Sem dúvida, superar tal situação exige planejamento e investimento. O Plano CNT de Transporte e Logística 2018, por exemplo, mostra a necessidade de investimento de R$ 496,1 bilhões em 981 projetos de infraestruturas rodoviárias no país, incluindo intervenções de construção, pavimentação e adequação.

Em termos políticos, o desafio é viabilizar esses aportes, o que tem se mostrado mais complicado do que o esperado. Todavia, dentro do que já tem sido tocado é preciso destacar que as obras efetuadas pelas concessionárias em rodovias sob sua gestão têm obtido até aqui os melhores resultados. 

Em comparação, o percentual de rodovias concedidas com condições satisfatórias é de 81,9%, enquanto nas públicas este percentual é de 34,2%, como constata a pesquisa da CNT. “Mas o nível de deterioração das estradas em todo o país é tão acentuado que a sua recomposição certamente será uma das prioridades dos governos em suas várias instâncias, seja o federal, os estaduais ou os municipais”, projeta José Carlos Romanelli, diretor comercial da Romanelli, uma das principais fornecedoras nacionais de equipamentos para o setor.

É nesse quadro que a 9ª edição do Levantamento dos Investimentos das Concessionárias Rodoviárias no Brasil, publicado com exclusividade por Grandes Construções, propõe-se mais uma vez a ajudar a identificar os investimentos em curso no país, ouvindo 23 concessionárias, incluindo CCR, Ecorodovias, AB Concessões, Arteris, Triunfo e Odebrecht Transport, dentre outras.

O material a seguir é composto por informações fornecidas pelas próprias concessionárias, com detalhes do que tem sido feito para o Brasil superar um dos maiores desafios históricos de sua infraestrutura.