12 de dezembro de 2012
Voltar
Métrica Industrial - Mão de Obra

Mão de obra ainda é gargalo na construção civil

Número de profissionais com carteira assinada passou de 1,5 milhão, em 2005, para os 3,5 milhões atuais

Para avaliar a situação da mão de obra na construção civil, o Métrica Industrial ouviu duas entidades do setor o SindusCon-SP (Sindicato da Indústria da Construção Civil do Estado de São Paulo) e a CBIC (Câmara Brasileira da Indústria da Construção). Tanto Haruo Ishikawa, vice-presidente de relação capital e trabalho do SindusCon-SP, como Antônio Carlos Mendes Gomes, presidente da CPRT (Comissão de Política de Relações Trabalhistas) da CBIC, analisaram o cenário atual do segmento e indicaram como a cadeia da construção pode se preparar para a falta de profissionais.

Para Ishikawa, o problema concentrou-se nos últimos anos, embora em 2012 tenha havido uma estabilização na contratação de trabalhadores capacitados. O executivo lembra que a falta de mão de obra foi muito acentuada em 2010, mas a demanda de contratações foi refreada nesse ano em função da crise mundial. De acordo com ele, o setor da construção civil empregava 1,5 milhão de pessoas com carteira assinada em 2005, número que saltou para os 3,5 milhões atuais.

“A qualificação é fundamental para o setor, pois com a experiência teremos mais mão de obra preparada. E isso reflete na produtividade, que já esta melhorando”, explica. A falta de profissionais, apesar da estabilização, aconteceria em todas as áreas - desde engenheiro, mestre de obra, operário qualificado, carpinteiro, eletricista a encanador. Entre os segmentos mais sensíveis estão os ligados à operação, caso de operários especializados em revestimento e aplicação de gesso.

Gomes, da CBIC, traz outra informação importante: o aumento do número de mulheres nos canteiros de obras. A pesquisa A Construção na visão de quem produz, organizada pela Câmara e executada pelo Instituto Sensus de Pesquisa e Consultoria, mostra que um dos fatores responsáveis por essa situação é o aumento da demanda e o envelhecimento da força de trabalho operária, hoje concentrada na faixa etária de 30 anos a 49 anos. “O levantamento foi realizado no período de 4 de abril a 30 de maio de 2011, em 24 Estados das cinco grandes regiões brasileiras”, informa. O grupo de entrevistados incluiu operários de canteiros de obra, trabalhadores administrativos e executivos da construção civil.

Em relação à demanda de engenheiros, o especialista da CBIC acredita que o número de profissionais em atuação está muito aquém das necessidades geradas pelas obras de infraestrutura, o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), “Minha Casa, Minha Vida” e pelos grandes eventos esportivos, sem contar as iniciativas como o Pré-Sal e outros. “Durante muitos anos, a engenharia foi relegada a um segundo plano. Naturalmente, o número de jovens que buscavam essa formação foi caindo vertiginosamente”, diz. Gomes cita a estimativa do Conselho Federal de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (Confea), a qual indica que o Brasil tem um déficit anual de 20 mil engenheiros.