18 de maio de 2017
Voltar
Startups

Aplicativo facilita locação de máquinas

A proposta é facilitar o acesso que quem precisa alugar e reduzir os níveis de ociosidade de equipamentos para construção

Foi a partir de uma experiência pessoal que dois amigos perceberam um filão no mercado para uma nova startup - a locação de maquinário para o trabalho em construções com ajuda de um aplicativo. Surgia assim o AlugaLogo, aplicativo de reúne empresas locadoras de máquinas e equipamentos a usuários interessados na locação, driblando o principal obstáculo para quem tem pressa, a burocracia. Atualmente o AlugaLogo possui 700 empresas em sua base de locadores e contratantes, com uma média de 50 locações por mês.

Dentre as máquinas que são mais demandadas, estão as  mini escavadeiras, mini carregadeiras, escavadeiras de 20 toneladas, pás carregadeiras, tratores de esteira, rolos compactadores e plataformas elevatórias.  E, a partir de abril, a startup começou a oferecer  também a linha leve: ferramentas elétricas, betoneiras, pequenos geradores etc. Para locações de curto prazo, a área abrangida é apenas o estado de São Paulo. Já as locações de longo prazo atendem a todo o Brasil.

O engenheiro mecânico Caio Almeida e seu sócio, o advogado Gabriel Franco, fundaram a AlugaLogo em 2015. Trabalhando há 10 anos neste ramo, os dois amigos apostaram na nova tecnologia para agilizar o processo de locação de equipamentos, que demorava em média até três dias para ser efetivado pelos meios convencionais. “Sou engenheiro mecânico e trabalho no mercado há 10 anos.  Sempre percebi que o setor da construção recebe pouca inovação quando se trata de novas formas de fazer negócio e canais. É mais comum ocorrerem neste setor inovações técnicas em máquinas e equipamentos”, diz Almeida.

Segundo Franco, eles perceberam que os níveis de ociosidade de equipamentos para construção são altos. Um dos diferenciais da plataforma é o suporte necessário para contratação e acompanhamento de serviços que exigem o emprego desse tipo de maquinário.

Segundo os fundadores da startup, antes de colocarem a plataforma no ar, o projeto foi apresentado a construtoras e locadores de equipamentos. “As respostas foram muito positivas e resolvemos desenvolver a primeira versão da plataforma”, diz Caio Almeida.

Se no início, a plataforma era utilizada apenas para alugar equipamentos, a partir de  março deste ano, foi lançado também um sistema para gerenciamento de apontamentos de campo e checklist dos equipamentos alugados e também de frotas próprias.

Outra facilidade é que


Foi a partir de uma experiência pessoal que dois amigos perceberam um filão no mercado para uma nova startup - a locação de maquinário para o trabalho em construções com ajuda de um aplicativo. Surgia assim o AlugaLogo, aplicativo de reúne empresas locadoras de máquinas e equipamentos a usuários interessados na locação, driblando o principal obstáculo para quem tem pressa, a burocracia. Atualmente o AlugaLogo possui 700 empresas em sua base de locadores e contratantes, com uma média de 50 locações por mês.

Dentre as máquinas que são mais demandadas, estão as  mini escavadeiras, mini carregadeiras, escavadeiras de 20 toneladas, pás carregadeiras, tratores de esteira, rolos compactadores e plataformas elevatórias.  E, a partir de abril, a startup começou a oferecer  também a linha leve: ferramentas elétricas, betoneiras, pequenos geradores etc. Para locações de curto prazo, a área abrangida é apenas o estado de São Paulo. Já as locações de longo prazo atendem a todo o Brasil.

O engenheiro mecânico Caio Almeida e seu sócio, o advogado Gabriel Franco, fundaram a AlugaLogo em 2015. Trabalhando há 10 anos neste ramo, os dois amigos apostaram na nova tecnologia para agilizar o processo de locação de equipamentos, que demorava em média até três dias para ser efetivado pelos meios convencionais. “Sou engenheiro mecânico e trabalho no mercado há 10 anos.  Sempre percebi que o setor da construção recebe pouca inovação quando se trata de novas formas de fazer negócio e canais. É mais comum ocorrerem neste setor inovações técnicas em máquinas e equipamentos”, diz Almeida.

Segundo Franco, eles perceberam que os níveis de ociosidade de equipamentos para construção são altos. Um dos diferenciais da plataforma é o suporte necessário para contratação e acompanhamento de serviços que exigem o emprego desse tipo de maquinário.

Segundo os fundadores da startup, antes de colocarem a plataforma no ar, o projeto foi apresentado a construtoras e locadores de equipamentos. “As respostas foram muito positivas e resolvemos desenvolver a primeira versão da plataforma”, diz Caio Almeida.

Se no início, a plataforma era utilizada apenas para alugar equipamentos, a partir de  março deste ano, foi lançado também um sistema para gerenciamento de apontamentos de campo e checklist dos equipamentos alugados e também de frotas próprias.

Outra facilidade é que o sistema funciona em celulares Android, offline e online para que mecânicos, apontadores e operadores preencham informações de produção e manutenção dos equipamentos. É possível ainda acessar a versao Web para gestores terem acesso em tempo real às informações geradas pelos equipamentos. Uma preocupação da startup é com respeito à satisfação dos clientes. Para isso, ao final de toda locação, é enviado um questionário simples para que contratantes e locadores possam atribuir notas ao serviço prestado.

De acordo com Almeida e Franco, no início houve uma certa resistência das grandes empresas em utilizar essa plataforma. “Mas nos últimos meses essa barreira começou a ser quebrada, principalmente por sermos uma startup residente no Google Campus, o que nos deu um selo de qualidade e nos permitiu ter acesso a grandes players. A construção apresenta grandes oportunidades para inovação. Queremos contribuir para tornar este setor cada vez mais eficiente”, diz Almeida.

Já para Franco, o setor ainda mantém padrões bem tradicionais de se fazer negócio. “Houve revoluções nos setores hoteleiro, de transportes, entretenimento etc. Agora percebemos que é possível entregar algo novo para a construção também”, enfatiza. A startup já rompeu até a fronteira da mineração. No ano passado, um equipamento para mineração subterrânea foi alugado pelo período de 12 meses.  Segundo Almeida, grandes empresas devem estar mais abertas para conversar com as startups, mesmo que no início os resultados sejam pequenos. “Mas, em muitos casos, esse tipo de empresa traz grande possibilidade de melhorar processos em diversos setores”, diz Almeida.

Como funciona

O interessado na locação da máquina solicita a cotação via site, informando dados como tipo, porte do equipamento, data de início e data final de uso. O mecanismo de cotação, então, rastreia os locadores cadastrados no site que possuem a máquina procurada. Em poucas horas, opções próximas e com os menores preços são enviadas ao interessado. Há duas modalidades de locação: Spot (por dia, semana ou quinzena) e Mensal ou de Longo Prazo. Entre as máquinas disponíveis, estão retroescavadeiras, tratores de esteira, mini carregadeiras, caminhões basculantes, plataformas elevatórias, entre outros. Graças a uma parceria com a Carboroil, por exemplo, os equipamentos alugados contam com desconto no combustível. A logística de entrega deste combustível é garantida pela própria Alugalogo.

Site: www.alugalogo.com.br