FECHAR
Voltar

Jogo Rápido

Revista Grandes Construções Edição 63 - 09/2015

Túnel Santos-Guarujá ainda demora

O projeto do túnel submerso ligando Santos a Guarujá (SP) poderá demorar pra sair do papel. Isso só acontecerá depois que o Estado tiver autorização da Secretaria do Tesouro Nacional (STN) para ampliar seu endividamento em R$ 7 bilhões. Nesse montante, está incluso R$ 1,3 bilhão necessários para a obra.  A STN confirma que recebeu pedido do Estado para autorizar a ampliação da dívida em R$ 7 bilhões. “A liberação desse pedido está atrelada à análise técnica e à autorização superior da inclusão de operações de crédito na Revisão do Programa de Reestruturação e Ajuste Fiscal”, diz o órgão. Em outras palavras, a liberação do dinheiro está na pendência de análise do Governo Federal, que neste momento faz contingenciamento de recursos em razão da crise econômica.

O investimento total previsto para o túnel é de R$ 3,2 bilhões, a serem cobertos com financiamento de R$ 2,3 bilhões pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e aporte de R$ 900 milhões do Estado. O BNDES já liberou R$ 938 milhões, faltando o montante de R$ 1,3 bilhão que o Estado pleiteia para complementar a verba. Não se sabe quando vai haver essa liberação. Aguardamos o avanço dessa situação e uma sinalização do Governo Federal, para poder programar a publicação”, ressalta o presidente da Dersa, Laurence Casagrande Lourenço.

Ele prefere não fazer previsões de quando o projeto do túnel deve ter andamento. “A situação federal ainda é muito incerta. Nós tivemos um momento não só de crise econômica, como também de crise política. Acho que qualquer previsão agora é muito prematura”.

O TCE mandou paralisar a licitação da obra do túnel submerso em 30 de janeiro deste ano, sob alegação de “afastar possíveis improbidades” presentes no edital. Analisados os documentos, o órgão determinou que a Dersa corrigisse o edital para abrir nova licitação.

Na decisão, assinada pelo conselheiro Dimas Eduardo Ramalho, o TCE aponta 24 falhas contidas no primeiro edital da obra e pede para que elas sejam retificadas em uma nova versão.

Atualmente, a Dersa realiza a revisão e detalhamento do conteúdo do projeto de engenharia do túnel submerso, conforme explica. Este trabalho compreende a execução de ajustes nos projetos de escavação das paredes diafragma e nas fundações e escoramento da doca seca.

 

 

07/09/2015
07/09/2015
07/09/2015
07/09/2015