FECHAR
Voltar

Jogo Rápido

Revista Grandes Construções Edição 32 - 11/2012

Petrobras compra guindastes offshore com conteúdo local

Após 24 anos sem fabricação nacional, a Petrobras recebeu o primeiro guindaste offshore, de um lote total de 20 unidades compradas com exigência de conteúdo local mínimo. Destinados às plataformas do pré-sal, além da P-58 e da P-62, os guindastes serão entregues ao longo dos próximos cinco anos, com índice de conteúdo local crescente de 20% a 65%.

Os guindastes têm altura de 48 metros (comprimento da lança), o equivalente a um prédio de cerca de 20 andares. Cada um deles pesa 111,5 toneladas e tem capacidade de içamento pelo guincho principal de 25 toneladas a 25 metros de altura. O preço de cada unidade é de 2,2 milhões de euros.

Como parte da estratégia de desenvolvimento deste mercado, foi realizada em 2010 uma licitação internacional com empresas estrangeiras dispostas a produzir os guindastes em solo nacional. A vencedora foi a italiana M.E.P. (Pellegrini Marine Equipment).

Até o fim de 2012, a Petrobras receberá da M.E.P. quatro guindastes. Os dois primeiros serão instalados na plataforma P-58, que está com a integração em curso no Estaleiro de Rio Grande (RS). Prevista para entrar em produção em 2014, a P-58 irá operar no campo Norte do Parque das Baleias, na Bacia de Campos. O terceiro e quarto guindastes vão para a plataforma P-62, cuja integração está ocorrendo no porto de Suape, em Ipojuca/PE. A P-62 irá operar no campo de Roncador, também na Bacia de Campos.

O contrato da Petrobras com a M.E.P. estabeleceu em 20% o conteúdo local dos dois guindastes destinados à P-58, mas a empresa superou, alcançando 25,11% já no primeiro deles. Nos outros dois equipamentos, para a P-62, a participação nacional chegará a 35%. Os 16 restantes, que irão operar nas plataformas do Pré-Sal, serão fabricados ao longo dos próximos cinco anos, incorporando conteúdo local gradativamente até alcançar 65%.

 

10/12/2012
10/12/2012
10/12/2012

Arquitetura

Oscar Niemeyer

10/12/2012