FECHAR
Voltar

Jogo Rápido

Revista Grandes Construções Edição 74 - 10/2016

Obras na Serra do Cafezal entram na reta final

Até o final de 2016 restarão 8 km para que o trecho da BR-116, conhecido como rodovia Régis Bittencourt, esteja 100% duplicado e liberado para o tráfego. O traçado de 402 km, que liga as cidades de São Paulo e Curitiba, finaliza sua etapa mais complexa. Isso envolve a construção de quatro túneis e 24 viadutos, cortando a região conhecida como Serra do Cafezal. O maior volume de obras concentra-se entre os km 348 e 361,5. Atualmente, todos os lotes contratados estão em execução.

Havia a expectativa de que um novo trecho de 4,5 km, envolvendo a liberação de três túneis e cinco viadutos, fosse autorizado para receber tráfego de veículos no começo do segundo semestre de 2016, mas, segundo a concessionária Auto Pista Regis Bittencourt, do grupo Arteris, houve atraso nas etapas de pavimentação, sinalização e iluminação dos túneis, o que protelou a abertura do trecho para outubro ou novembro. “Os três túneis já estão vazados e em fase final, ou seja, a etapa mais difícil da obra foi superada”, diz o engenheiro civil Eneo Pallazzi, diretor-superintendente da concessionária.

Atualmente, os canteiros de obras instalados ao longo dos 13,5 km que faltam ser duplicados na Serra do Cafezal, contam com um contingente de 1.500 trabalhadores. A maior concentração de frentes de obras está nos lotes 4 e 5, com serviços de terraplanagem para abertura das novas pistas, drenagem profunda (bueiros e galerias), revestimentos vegetais de taludes de cortes e aterros (encostas) e pavimentação. Nestes lotes, estão sendo construídos 19 viadutos, com execução de infraestrutura, mesoestrutura e superestrutura.

Dos nove trechos da obra, os quatro maiores estão em fase final de execução. Isso representa 70% da duplicação. Os lotes 1, 2, 8 e 9 já estão em operação, e compreendem as duas extremidades da Serra do Cafezal. O empreendimento está em curso desde 2010 e já foram concluídos 22 km de pista nova (17,5 km liberados para o tráfego). O trecho total engloba 30 quilômetros e a expectativa é de que esteja 100% concluído no segundo semestre de 2017.

 

 

15/10/2016
15/10/2016

Máquinas e Equipamentos

Verdadeira, só que menor

15/10/2016